segunda-feira, 10 de abril de 2017

Pelo direito à boa música: George Harrison

Que os Beatles são a melhor banda de rock de todos os tempos não parece haver dúvida entre nós mortais. A dúvida que a genialidade do quarteto de Liverpool suscitou, na verdade, é sobre qual dos quatro era o mais genial. 

Comumente, fomos acostumados a atribuir à dupla Lennon-McCartney o sucesso das maiores canções dos Bealtes: Hey Jude; Help; Elanor Rigby, Lucy in the Sky With the Diamond, pra ficar só em alguns exemplos. O que não anula o papel e a importância que cumpriram Ringo e George. Este último, com ares de maior genialidade que aquele. 

Com o fim dos Beatles, George Harrison iniciou um carreira exitosa, marcada pela gravação de 9 álbuns de estúdio e quatro ao vivo, além de inúmeras coletâneas em que, para os que viam as canções dos Beatles sem distinguir quem as compunha, pôde-se entrar em contato com o sinais de genialidade que Harrison imprimia às canções e à guitarra, tal qual à magistral "While My Guitar Gently Weeps".

Como destaque dessa carreira, destaco o álbum ao vivo no Japão. Um aula de guitarra, canção e melodia. E por aqui, vai uma amostra, não do álbum, mas da música que todos nós merecemos ouvir. Saca só:


sexta-feira, 7 de abril de 2017

Por uma Frente Ampla em Pernambuco


Uma das características incontestes do último ciclo virtuoso da economia brasileira, golpeado em abril de 2016, foi o combate às desigualdades regionais, promovido por uma política do Estado Brasileiro de descentralização dos investimentos públicos, levando obras estruturais para diversos lugares antes esquecidos do país. Pernambuco foi um dos grandes alvos desses investimentos.

Para se ter ideia dessa mudança de paradigma, o PIB do estado de Pernambuco cresceu em torno de 50% no acumulado entre 2004 e 2012, enquanto o brasileiro acumulou, no mesmo período, um crescimento de 27%. Nos anos de 2013 e 2014, mesmo com a desaceleração da economia nacional, ainda houve um crescimento do PIB de 3,2% e 2%, respectivamente.

*retirado de http://blogs.ne10.uol.com.br/jamildo/2015/06/04/pib-de-pernambuco-cresce-2-em-2014-menor-resultado-dos-ultimos-10-anos/

Essa característica foi reforçada, obviamente, por um papel do Estado brasileiro como indutor do desenvolvimento econômico em âmbito nacional, mas também, a partir de 2006, com a eleição de Eduardo Campos como governador, por uma visão desenvolvimentista aplicada no estado. Foi, no período entre 2007-2010 que Pernambuco alcançou as mais altas taxas de crescimento. Nesse período, investimentos como a Refinaria Abreu e Lima, fábrica da Fiat, estaleiro Atlântico Sul, Hemobrás e transposição do São Francisco, passaram a se tornar realidade. Isso, sem contar com a também descentralização praticada por aqui. A participação no PIB do estado de municípios como Jaboatão e Cabo, beneficiados pela indústria, cresceu no período, enquanto a do Recife diminuiu [1]. 

Não por coincidência, o estado de Pernambuco, a partir do agravamento da crise cujo vértice maior está relacionado à desnacionalização da economia, desidratação da indústria, sobretudo de engenharia pesada e setor de óleo e gás - setores fundamentais para o crescimento recente do estado -, o estado passa a sentir os efeitos e acumula retração de sua economia de 3,5% [2] em 2015 e 3,6% [3] em 2016. De acordo com a Ceplan, ainda é esperada uma retração de 2,5% [4] da economia do estado em 2017, fruto da paralisação de obras importantes do estado devido à antinacional Lava-Jato e ao ajuste fiscal draconiano que a banca impõe ao país e que o governo golpista impõe aos estados e municípios. Felizmente, como a situação fiscal do estado é razoavelmente controlada, não entramos numa crise semelhante a de estados como Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul.

No plano político, o golpe é uma reedição das empreitadas oligárquicas da elite paulistana. Para as lideranças regionais, resta o papel de "solicitantes" de benevolência do Governo Federal para que se liberem recursos aprovados anteriormente ou até mesmo emenda parlamentares, que passam a ser quase que as principais fontes extras de recursos para o estado. Faz parte do jogo golpista manter os estados "de pires na mão" para que tudo se resolva no varejo da micropolítica que se tornou o Parlamento brasileiro.

Ponto agravante dessa situação é a forma como a direita do estado se organizou no Brasil pós-golpe. Quatro ministros pernambucanos, eleitos deputados graças ao projeto desenvolvimentista liderado pelo PSB no estado agora voltam as atenções para a disputa do Governo do Estado de Pernambuco, querendo reeditar a famigerada União Por Pernambuco e ressuscitar lideranças políticas que tanto mal fizeram ao estado de Pernambuco.

Por isso, diante de uma quadro geral adverso, dois movimentos hão de ser feitos: 1) aos movimentos e às esquerdas do estado em geral, é fundamental identificar o alvo central, que é a direita entreguista alojada no governo central do país e com as armas viradas ao comando do estado; 2) juntar forças em torno de uma frente ampla, que reúna as forças produtivas do estado - setor agroaçucareiro; construção civil etc -; os progressistas, desenvolvimentistas, patriotas e democratas em torno de uma agenda que neutralize a direita entreguista do estado e retome uma agenda de crescimento para o estado que, assim, possa superar a crise.

Não há como isolar a situação local da questão nacional presente. Por isso, clareza nos objetivos e daqueles que são nossos aliados e inimigos é central. Formar uma frente ampla para combater o Governo Temer e encontrar saídas para o Brasil deve encontrar sua materialidade nos estados, arena central das lutas de classes no país. É um bom exercício de tática que deve-se realizar.  Pernambuco e o Brasil merecem.



NOTAS:

[1]: http://jconline.ne10.uol.com.br/canal/economia/pernambuco/noticia/2015/12/19/a-riqueza-produzida-em-pernambuco-esta-concentrada-em-17-municipios-213347.php
[2]: http://g1.globo.com/pernambuco/noticia/2016/03/em-2015-pib-de-pernambuco-teve-maior-queda-dos-ultimos-28-anos.html
[3]: http://www.diariodepernambuco.com.br/app/noticia/economia/2017/02/16/internas_economia,689572/monitor-do-pib-da-fgv-aponta-queda-de-3-6-em-2016.shtml
[4]: http://jconline.ne10.uol.com.br/canal/economia/pernambuco/noticia/2016/12/15/pib-de-pernambuco-devera-cair-25_porcento-em-2017-superando-o-brasil-263612.php

sexta-feira, 24 de março de 2017

Ainda nos resta a Seleção


Em meio a golpe de estado, crise econômica sem perspectiva de se encerrar, crise política aguda e entrega do patrimônio nacional e perda de direitos, uma coisa, pelo menos, tem alegrados os brasileiros nesses dias sombrios: a Seleção Brasileira de Futebol.

A seleção comandada por Tite tem dado uma aula de futebol. Alia-se, na seleção, o movimento tático atual, de compactação das linhas, participação marcante dos atacantes de lado de campo na marcação e dos "volantes" na situações ofensivas, com o toque de classe e habilidade que só o jogador brasileiro tem. Além disso, um quê de entrega maior e de um grupo que parece ter comprado a ideia do professor. Enfim, tem sido bonito ver os jogos da seleção, há 7 jogos ganhando de todo mundo que aparece.

Essas coisas me fazem lembrar de um episódio recente, em que, numa loja de materiais esportivos, me neguei a comprar a camisa da seleção brasileira por me lembrar da palhaçada que os coxinhas fizeram nos movimentos pró-golpe, usando a camisa da seleção como símbolo do "nacionalismo" e da "recuperação do Brasil" que eles queriam: um Brasil para poucos, que comia filé mignon na Paulista e tomava Chandon. Todos eles vestiam o amarelo da seleção brasileira, estampada com frases misóginas e escudo da CBF.

No entanto, a Seleção Brasileira, cujo primeiro jogo aconteceu em 1914 contra o Exeter City da Inglaterra e em que pese a influência nefasta da CBF para o futebol brasileiro - incluindo-se aí casos e mais casos de corrupção e ligação umbilical com a Ditadura Militar e o sistema Globo de Televisão - não é e nunca será símbolo da intolerância, falta de democracia e entreguismo. Foi na seleção brasileira que o Brasil pôde ver a ascensão de um negro ao topo mais alto de sua profissão e virar majestade; foi na seleção brasileira que figurar como João Saldanha fizeram sua carreira e defenderam a democracia e é, na Seleção Brasileira, que temos um pingo de orgulho nacional a cada vez que a vemos jogar.

O jogo de ontem, mais uma vez, reafirmou meu orgulho de ser brasileiro. E isso não tem nada a ver com alienação, com pão e circo. Tem tudo a ver com sentimento nacional, vontade de ver, qual no futebol, o Brasil despontando mais uma vez e sendo motivo de orgulho para os milhões de brasileiros e brasileiras que gostam do Brasil. O Brasil que apoia o golpe detesta o Brasil, morre de vontade de morar em Miami e acha que aqui nada presta, igual ao ex-presidente da CBF, Ricardo Teixeira, que antes de se enrolar com a Interpol, morava nos "States". 

Por isso, ao sentir esse fio de alegria e esperança, reafirmo: a CBF - e os coxinhas -  não pode ser dona das nossas emoções com a amarelinha. A Seleção Brasileira de futebol é patrimônio do povo brasileiro, assim como a Petrobras. E ela ainda nos resta. Viva o futebol brasileiro. Viva o Brasil.


quinta-feira, 9 de março de 2017

O Maracanã e a Lava-Jato




Ontem a estreia do Flamengo pela Copa Libertadores da América me deu um alívio. Não pelo resultado do esquadrão comandado por Diego em ótima fase, mas por, pelo menos, poder ver o Maracanã voltar ao protagonismo do futebol brasileiro.

O que aconteceu com o Maracanã no final do ano passado e início desse ano é o verdadeiro retrato do que o golpe - executado habilmente pela cortina de fumaça da operação Lava-Jato fizeram e continuarão fazendo ao país.

O Maracanã não é só um "estádio de futebol", mas símbolo da nacionalidade brasileira, patrimônio cultural - para os que amam ou detestam futebol -, templo sagrado do esporte mundial e, por isso, não por coincidência, uma das primeiras vítimas do golpe antinacional a que o Brasil tem sido submetido, assim como o programa nuclear brasileiro, que mantém preso por 43 anos o Almirante Othon; assim como a Petrobras e o Pré-Sal brasileiro, ,que, dia a dia vêm sendo desidratados em tempo recorde pelos serviçais do império estadunidense.

O episódio do Maracanã é emblemático, visto que mostra o verdadeiro objetivo da operação Lava-Jato e do golpe: acabar com o patrimônio brasileiro, sucateá-lo em determinados casos para repassá-lo ao capital estrangeiro. Felizmente não conseguiram com o Maracanã, mas certamente não é esse o destino da maioria do nosso patrimônio, que, assim como a previdência, segue sendo entregue de mão beijada.

Engraçado nesse episódio do Maracanã é lembrar do que parte irresponsável da esquerda brasileira fez às vésperas das Copa da Confederação e Copa do Mundo - datas mais que comemoráveis para a nacionalidade brasileira, que se apresentou ao mundo e pôde realizar grandes eventos, sem dever nada a países desenvolvidos. Talvez seja exatamente isso o que eles queriam: nosso futebol, estádios e país entregue àqueles que muitos julgaram estarem certos na Ucrânia, por exemplo.

Os efeitos da Lava-Jato são devastadores para o país. De acordo com o insuspeito G1, em 2016, os números negativos que a Lava-Jato causavam à economia em 2015 girava em torno de R$ 140 bilhões, muito além dos R$ 50 milhões para salvar o Maracanã das garras do descaso e do abandono. Infelizmente, para salvar a economia nacional não são 50 milhões ou 140 bilhões, mas só um verdadeiro pacto nacional, desenvolvimentista, democrático e amplo para tirar o país das garras dos usurpadores que alijaram uma presidenta legitimamente eleita e operam a passos cavalares a entrega do nosso patrimônio - seja o Maracanã, seja Alcântara, o Pré-Sal ou nossa aposentadoria. É preciso lutar!

sexta-feira, 3 de março de 2017

Por que frente ampla?


Quando ligamos a televisão, celulares e computadores para nos atualizarmos, é quase unânime a reação de descrença, a incredulidade com tudo o que está acontecendo no Brasil, sobretudo no que se refere ao escárnio com que os usurpadores do poder político do país encaram as decisões que tomam. E por mais que precisemos denunciar, a denúncia por si só já não basta. Por isso, de um lado temos os que apontam as saídas idealistas, baseadas pura e unicamente na vontade e numa mesma reprodução da crítica pela ética burguesa; do outro, os que devem apontar saídas buscando analisar a realidade concreta, que nos enseja uma saída com ousadia tática e convicção política.

As grandes vitórias que a humanidade obteve ao longo da história, desde a Revolução Francesa pelo menos, não se conquistariam se não ampliassem para além da classe social que buscava derrubar a classe dominante - era preciso, além de ampliar entre as classes que não eram dominantes, buscar fissuras nas classes dominantes. Como afirma Marx (1845: 49), em A Ideologia Alemã, "cada nova classe instaura sua dominação somente sobre uma base mais ampla do que a da classe que dominava até então (...)".

Ter consciência dessa necessidade é pré-requisito para atuar no campo adversário, como no momento em que estamos vivendo. É, sobretudo, viver conscientemente o exercício da tática e da estratégia, categorias políticas tão caras às esquerdas e sobre a qual é sempre válido recorrer. Saber que o objetivo estratégico, que é a construção de uma sociedade sem classes, não se dará de maneira retilínea, mas será alcançada mediante avanços e recuos no decorrer da luta de classes.

Assim foram, para ficar em apenas alguns exemplos, momentos importantes mais recentes de nossa história: desde a postura adotada por Lênin na Revolução Russa e sua preliminar de 1905, passando por episódios fundamentais no Brasil, como a construção da ANL - "frente única antifascita e anti-imperialista que congregava comunistas, socialistas e democratas avançados", cuja presidência "coube ao comandante da Marinha, Hercolino Cascardo, a Vice-Presidência ao capitão do exército Amoreti Osório e ao civil Francisco Mangabeira"(BUONICORE, 2012: 40/41), único ligado aos comunistas.

Podemos ainda citar, por mais óbvio que seja, a atuação dos comunistas no enfrentamento à já cambaleante Ditadura Militar nos finais da década de 70 e início da década de 80, momentos em que o PCdoB não titubeou em - taticamente - apoiar, inclusive, um militar no colégio eleitoral: Euler Bentes Monteiro, e que, anos depois, culminou com a derrota dos militares no próprio colégio eleitoral.

Poderíamos, assim, enumerar diversos exemplos de como e quando a tática de ampliar a base sobre a qual atuamos e a necessidade de atuar em frentes amplas foi a melhor saída tática para a luta dos trabalhadores. Exemplo maior disso, na prática, embora não tenha sido com essa nomenclatura, foi o movimento pela abolição da escravatura, que contou, entre os abolicionistas, com a presença de figuras oriundas da aristocracia rural e descendentes de escravocratas. Não é de se imaginar que recusassem o papel fundamental que cumpriu Joaquim Nabuco, por exemplo.  No entanto, para além de enumerar os exemplos, fundamental mesmo é entender os motivos pelos quais chegamos ao entendimento de que a atuação em frentes, as mais amplas possíveis, deve ser a tática a ser utilizada.

Primeiro, as classes sociais não são categorias estanques, monolíticas. Tanto nas classes dominantes quanto no proletariado existem fissuras e frações de classes sobre a qual devemos agir com táticas diferenciadas em cada momento. O Brasil, por exemplo, no período de sua República, assistiu a lutas cujas frações da burguesia - industrial e agrária - eram quem lutavam pelo poder, o que Gramsci define como "Bloco no Poder". O pacto social que levou Lula à presidência da República em 2002, com certeza, levou isso em consideração - por isso ganhamos e conseguimos governar por 13 anos, e é, por conta de uma nova fissura entre as classes dominantes - e também entre as esquerdas - que foi possível o golpe de 2016 ser consolidado, afina de contas, a frente ampla, na verdade, agora é contra nós; está do lado de lá.

Segundo: existem diferenças fundamentais entre aquilo que queremos e aquilo que realmente somos capazes de fazer. No materialismo dialético, definido como necessidade, possibilidade e realidade. O filósofo húngaro, György Lukács (1965: 135) já afirmara: "A conversão da possibilidade em realidade não é jamais um efeito automático das condições sociais, mas um efeito - baseado na modificação dessas condições - da atividade consciente dos homens". Sobre a realidade dizia Lênin: "a realidade é sempre muito mais astuciosa do que as melhores ideias, mesmo as do melhor partido". Portanto, pescar as ideias que pairam nas cabeças idealistas e colocá-las sobre os chão da realidade é extremamente necessário.

Terceiro: precisamos ser porta-vozes - ou ao menos contribuir para -  de ideias avançadas que, não necessariamente sejam as nossas. É preciso ter em mente que, sabedores de que "as ideias dominantes são as ideias da classe materialmente dominante", muito dificilmente um programa alicerçado somente em princípios  alcançaria adesão plena em momentos de crise como o que vivemos, em que as ideias conservadoras dominam os pensamentos, inclusive da classe trabalhadora.

Por isso, a luta pela democracia ainda é a grande bandeira sobre a qual podemos unificar amplos setores da sociedade: artistas, intelectuais, empresários progressistas, juristas etc. para não cair naquilo que afirmou Engels, em 1848: "predicar o comunismo em algum jornalzinho local e fundar, em vez de um grande partido de ação, uma pequena seita"(apud BUONICORE, 2009: 26).

Nesse sentido, como afirma Augusto Buonicore, em Marxismo, História e Revolução Brasileira, "a democracia burguesa é o campo mais favorável para a elevação do nível de consciência e de organização da classe operária e demais classes subalternas. Por isso, nos marcos do capitalismo, os partidos comunistas são vanguardas da luta pela democracia e contra a fascistização do Estado Burguês"(BUONICORE, 2009: 66). E esse é o nosso papel hoje, mais uma vez.

É preciso, diante desses impasses, ter clareza de que, sozinhos, não lograremos êxito em nossa missão revolucionária de emancipar a classe trabalhadora e transformar o Brasil num país mais justo e soberano. Nas palavras de Darcy Ribeiro (2014:226), "como não há nenhuma garantia confiável de que a história venha a favorecer, amanhã, espontaneamente, os oprimidos; e há, ao contrário, legítimo temor de que, também no futuro, essas minorias dirigentes conformem e deformem o Brasil segundo seus interesses; torna-se tanto mais imperativa a tarefa de alcançar o máximo de lucidez para intervir eficazmente na história a fim de reverter sua tendência secular. Esse é nosso propósito".

Atual como nunca.

segunda-feira, 6 de fevereiro de 2017

Música boa: dEUS

Começando a semana com a primeira postagem sobre música de 2017. Foram listas e mais listas de melhores discos do ano devoradas por mim nos últimos meses, mas a indicação de música boa ainda não vai ser de uma mega novidade - não dessa vez - e sim de uma banda já com uma longa estrada percorrida, iniciada em 1991, na região da Antuérpia, na Bélgica.

Pra quem gosta do famigerado Indie Rock, definição um pouco ampla demais, provavelmente irá gostar do som desses caras. A banda dEUS - grafada assim mesmo - faz um som leve, cantante e de fácil aceitação. Música boa para ouvir no ônibus ou em casa, faz a cabeça.

O álbum sugerido é um de 1996, In a Bar, Under the sea, com destaque para a canção Gimme the heat. Confiram:


quarta-feira, 1 de fevereiro de 2017

Com a coragem que só a convicção nos dá


Eis que entre os dias 30 de janeiro e 01 de fevereiro me deparo com uma enxurrada de comentários no Facebook acerca das decisões dos partidos de esquerda em relação à eleição das presidências das casas do legislativo brasileiro. 

Vejo comentários até de pessoas bem intencionadas, amigos, conhecidos que a vida trouxe e que são, verdadeiramente, interessados em resistir ao golpe que o Brasil sofreu. Pessoas que acreditam que um novo modelo de sociedade precisa ser gestado. Não sei se o socialismo é o que acreditam, ou se um capitalismo mais humanizado, uma social-democracia basta.

O fato é que são pessoas que conheci nos tempos de universidade, ou de militância do movimento estudantil. Alguns, os que não se envolvem diretamente com a luta político-partidária, influenciados diretamente pela corrente de opinião petista na sociedade - é, o PT é uma corrente de opinião, assim como os comunistas - outros, petistas propriamente ditos, comemoram a decisão de seu partido de na eleição da câmara adotar a tática da demarcação de posição. Tudo bem, é a luta.

O que, nesse episódio, não dá mesmo para aceitar é o questionamento de setores de esquerda às posições do PCdoB neste caso.

O PCdoB, como é de conhecimento de todos, esteve na linha de frente da defesa dos governos populares hegemonizados pelo PT. Esteve porque tinha convicção de que, estava diante de nós, com todas as contradições possíveis, o governo mais avançado que o povo brasileiro poderia ter naquela quadra da história, e de que era preciso fazer avançá-lo, levá-lo mais à esquerda, a superar a encruzilhada histórica por que passava o país e fazê-lo avançar  para um novo ciclo civilizacional.

Nesse ínterim, os comunistas sempre tentaram - mesmo com pouca força - influenciar a força dirigente do país a ter convicção de que era preciso realizar reformas - no marco do capitalismo - que pudessem dar um tom maior de civilidade e progresso ao país. Reformas como a reforma dos meios de comunicação e reforma política sempre estiveram na pauta dos comunistas, desde os períodos de ascensão das forças populares, em que era possível avançar um pouco mais sobre as consciências tendo em vista um projeto emancipador da classe trabalhadora, sobre o qual a força dirigente, infelizmente, não tinha convicção.

A partir de 2015, quando variados setores da esquerda brasileira negavam a possibilidade de golpe parlamentar no nosso país, lá estávamos denunciando o que mais tarde se confirmaria. Tudo isso fizemos sem esperar os louros dos vitoriosos, mas fizemos com a calma e resiliência dos que têm convicção naquilo que acreditam. 

O caminho do PCdoB é longo e pretende ser duradouro; acreditamos num futuro melhor para a humanidade e para o Brasil: um futuro socialista. Dessa forma, para atingir tal objetivo, sobre o qual temos convicção, entendemos a necessidade básica de não nos isolarmos e de fazermos - nessa quadra tão adversa - do parlamento, um ambiente um pouco menos hostil para resistir.

Como afirma a nota da comissão política, "o golpe expurgou a esquerda do governo federal, do Poder Executivo, mas não pode expulsá-la do Poder Legislativo". Não pode, porque lá estarão os comunistas: fazendo parte da paisagem, mas, sobretudo, influenciando a paisagem e sendo foco de resistência das forças progressistas do país. O PCdoB não se isolará no jogo político-institucional, pois tem convicção de que os interesses dos verdadeiros arquitetos do golpe é ver a legenda dos comunistas ser dizimada e fora desse jogo. Não nos curvaremos à vontade da classe dominante, seremos a resistência.

Nesse momento de confusão a que o golpe submeteu o país, mais do que palavras que marquem suas posições, precisamos enfrentar as medidas práticas que tentam entregar o país através de decretos MP's e PEC's; precisamos estar preparados em todos os terrenos, e precisamos ter convicção de que, nesse período de defensiva tática e estratégica, resistir é estar em todos os fronts, com a coragem que só a convicção nos dá, pois como diria Dimitrov:

"Para ser um revolucionário, não basta possuir temperamento de revolucionário: é mister saber também manejar a arma da teoria revolucionária. Não basta conhecer a teoria; é preciso forjar para si mesmo um caráter sólido, com uma inflexibilidade de bolchevique. Não basta saber o que fazer: é preciso ter a coragem de levá-lo a cabo. Preciso estar sempre pronto para fazer, a qualquer preço, tudo o que possa realmente servir à classe operária."