segunda-feira, 8 de março de 2010

Durante.

E entre sussuros e suspiros
E entre o suor e a saliva
Entre a desordem e coreografia
Entre a cachaça e a cama

Não há culpa nem mais erros
Não há escrúpulos e entremeios
Há esculturas no escuro
Silhuetas que gritam, que chamam

E há chamas nas mãos
Sem nenhuma moderação
Sem medicina que resolva
O desejo a se encontrar.

Enfim se finda
O que a dança procura
O prazer interminável
Que termina nossa loucura.

2 comentários:

Marcel disse...

Pura volúpia.

[ rod ] ® disse...

Mas ql seu orkut? r ss

O prazer meu caro rende bons diálogos... abs!

e venha conhecer um novo blog.