quarta-feira, 15 de outubro de 2008

É Dia de Festa

Enquanto a ferrugem cobre as máquinas
os homens de bem levantam estátuas
pra representar impérios e tiranos
querem ser lembrados como seres humanos

e no fervor da cidade que vive em zona
lembrando o estado da antiga Sodoma
vamos fazer festa pra comemorar
mais uma morte acontece e então podemos lembrar:

Que é dia de festa, em nossa cidade
e o mal da humanidade?
e o mal da humanidade?

Tentamos buscar força pra reagir
e perguntamos a alguém se isso tem que ser assim
somos franco-atiradores numa guerra sem fim
e produtos criados para a alguém distrair

alguns rezam a Deus e esperam a solução
toda essa gente que vive numa grande ilusão
o genocídio humano é grande e tão frio
"dos filhos deste solo és mãe gentil"

É dia de festa, em nossa cidade
e o mal da humanidade?
e o mal da humanidade?

3 comentários:

julio Melo disse...

pois é
e o mal da humanidade?
ta fazendo festa pra o porquinho rir...

belo poema., parabens

Aline Araújo disse...

esse teu poema é uma música?

se não é, deveria.

é excelente.

=D

Jéssica, a antropofágica disse...

Teu blog é um achado em meio a tantas futilidades que minam a internet!
Obrigada.