terça-feira, 30 de dezembro de 2008

Febre, fome e frio


Fica fácil falar, quando farto
Fingir fatos feitos à faca
Fabricar falas com faísca
Na facúndia facínora
sem febre, fome ou frio

Fica fácil a falácia
falecendo toda a fé
na voz falha que só falta
a quem tem febre, fome e frio

Há fantasmas farejando
sem fastio e sem favores
só com febre, fome e frio

Mas está feito e fecundado, feroz e fascinante
a fome, a febre e o frio

2 comentários:

Marcel disse...

Sua poesia é forte, cara. Acho digno!

(que poetas você lê?)

Michel Chaves disse...

"Mas está feito e fecundado, feroz e fascinante
a fome, a febre e o frio"

Por mim pode abortar! Num quero isso não!

Parabens!