sexta-feira, 17 de abril de 2009

Flores ao Chão

Lábios e dentes
trincados pra não revelar
o que se passa
e não podemos enxergar

vidas e sangue
desperdiçados nos jornais
só um instante
para poder correr atrás

e eu não vou mais te pedir
nem vou fazer mais oração
eu não quero ser um mártir
e nem mais um na multidão

multilado sem escudos
sem muamba ou munição
esperando ficar mudo
e atirar flores ao chão

por trás das minhas palavras
há dois olhos na escuridão
que por um instante passam
fitando a situação

Um comentário:

Brenda. disse...

Encontrei este blog através do blog da Jéssica.
Belo modo de escrever. Algumas críticas implícitas abrilhantam esta poesia. Parabéns!